Aplausos para os bombeiros e estudantes de colégios militares, um voo rasante de helicóptero – que levantou poeira e chegou a balançar as estruturas metálicas de um dos palanques armados na Avenida Tocantins -, entusiasmo com as manobras em motocicletas da Guarda Civil Metropolitana e com as fardas e equipamentos de trabalho de algumas equipes da Polícia Militar (PM) de Goiás. Esses foram alguns dos pontos altos do Desfile Cívico-Militar realizado na manhã de ontem, na capital, durante a celebração dos 192 anos da Independência do Brasil, comemorada anualmente no dia 7 de Setembro. Cerca de 5 mil pessoas, segundo estimativa da PM, prestigiaram o evento, na região central de Goiânia, que teve o trânsito interditado nas imediações das Avenidas Goiás e Tocantins entre as 8 horas e o meio-dia.

Na plateia, famílias inteiras assistiram ao desfile – iniciado por volta das 9 horas, após o hasteamento de bandeiras e a execução do Hino Nacional, sob a responsabilidade da Banda Marcial de Goiânia -, misturando-se a assessores de políticos e cabos eleitorais de candidatos à Assembleia Legislativa, à Câmara Federal e ao Senado, que viram na grande concentração de público uma boa oportunidade para distribuir panfletos e santinhos. Mas nada tirou a atenção dos presentes das Avenidas Goiás – onde ocorreu a concentração dos participantes – e Tocantins – palco do desfile e local onde, em frente ao Teatro Goiânia, foram instalados os palanques das autoridades. Pelas duas vias, por mais de duas horas, passaram 3,8 mil pessoas que se apresentaram no evento cívico, sendo 2,8 mil militares e 1 mil civis, de acordo com informações da organização.

“Todos os anos, sempre que podemos, fazemos questão de vir. As crianças adoram”, destacou o comerciante Carlos César de Souza Santos, de 39 anos, referindo-se aos filhos Luiz Felipe, de 10 anos, e Luiz Gabriel, de 8, acompanhados da mãe, a pedagoga Bruna Letícia Santos, de 36 anos. “A gente não tem oportunidade de ver as fardas e o material de trabalho dos policiais de perto, então, é bom ver aqui”, completou o estudante do ensino médio Maycon Ferreira, de 17 anos, que também foi prestigiar a namorada, Thayssa, integrante de uma banda marcial de escola.

FARDAS E MANOBRAS

Um grupo formado por oficiais do Exército abriu o desfile. Alguns vestiam roupas camufladas e simulavam posições de combate. Ao lado deles, vários veículos utilizados em operações especiais foram apresentados ao público, assim como durante o desfile da Polícia Militar, que mostrou na Avenida Tocantins as particularidades de cada uma de suas equipes de elite, como o Grupo de Intervenção Rápida e Ostensiva (Giro), as Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam) e o Comando de Operações Especiais (COE), entre outros.

Na sequência, a plateia assistiu à apresentação do Corpo de Bombeiros, que desfilou toda a sua frota, farda e equipamentos utilizados em combates a incêndios e salvamento, além de outras operações. Um helicóptero da corporação sobrevoou a Avenida Tocantins, provocando uma onda de vento e chegando a sacudir um dos palanques, de onde era feita a narração do evento. A estrutura metálica teve de ser arrumada por alguns dos presentes, para não cair. Também se apresentaram na avenida as bandas de música dos Bombeiros e da PM.

Em nível municipal, participou do desfile a Agência da Guarda Civil Metropolitana (AGCM). A passagem do grupo terminou com a presença de viaturas e motocicletas, fruto de parceria com a Secretaria Municipal de Educação (SME), que dão proteção a alunos e servidores da rede pública de ensino, no auxílio do monitoramento escolar. Sobre as motos, os guardas municipais ensaiaram diversas manobras, que entusiasmaram o público.

A festa da Independência no Centro da capital foi encerrada com a participação das bandas marciais de seis colégios estaduais e três colégios da Polícia Militar sediados no Estado. No total, cerca de 700 estudantes compareceram ao evento, organizado, neste ano, pela Secretaria Municipal de Cultura.

Fonte: O popular