Empresário mantém-se firme na intenção de permanecer no partido e pode apoiar as candidaturas de Daniel Vilela ou de Vanderlan Cardoso à Prefeitura de Goiânia

Marcus Vinícius Da editoria de Política&Justiça

Crise para uns, oportunidade para outros. O empresário José Batista Júnior, o Jr. Friboi, não vai largar o osso. Se depender dele, permanece no PMDB. Apesar da oposição de iristas, Friboi tem um aliado de peso no partido, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela. Maior liderança do partido na atualidade, Maguito tem insistido que o PMDB tem que “ciscar para dentro” ao invés de estimular divisões internas. Prega o distensionamento. E é nesse sentido que tem dito publicamente que o PMDB deve cuidar para que Júnior Friboi tenha espaço para desenvolver projetos na legenda.

A briga entre Demóstenes Torres e Ronaldo Caiado fragiliza o ex-prefeito Iris Rezende. Enquanto os ex-comparsas se digladiam, o DEM se esfacela e a imagem pública de Caiado derrete. Noves fora nada, periga a candidatura de Iris à Prefeitura de Goiânia em 2016. E é aí que entra Friboi. Aliados do empresário asseguram que ele não vai perder a oportunidade de interferir nas eleições na capital. Aos mais próximos, Friboi avalia como viáveis as candidaturas do ex-prefeito Vanderlan Cardoso (PSB) ou do deputado federal Daniel Vilela. Estes nomes seriam o contraponto a Iris, ou, ainda, uma alternativa viável caso o velho cacique decline de candidatar-se.

Vanderlan está no PSB. Mas Friboi, segundo interlocutores, acha que é possível convencê-lo a retornar ao PMDB, de onde saiu por divergir publicamente de Iris Resende. Seria uma união de forças, entre dois empresários que gostam de política, para tomar as rédeas do principal partido de oposição em Goiás.

Daniel Vilela é visto como o futuro do PMDB. Uma candidatura e virtual eleição à Prefeitura de Goiânia o projeta para voos mais altos. Para os peemedebistas, que veem com desconfiança a aproximação com o DEM de Ronaldo Caiado, o jovem deputado é a certeza de que o PMDB tem alternativa, e não irá a reboque de ninguém.

Daniel Vilela certamente sabe fazer contas. Se vingar a aliança Iris e Caiado nas eleições em Goiânia e para o governo do Estado, fecham-se as portas para um projeto estadual, pois se Caiado for candidato em 2018, somente em 2022 abre-se uma janela para Daniel colocar seu nome numa disputa estadual. Mas, em caso de uma hipotética vitória de Caiado e sua virtual reeleição, uma candidatura só seria possível em 2026. E, convenhamos, onze anos é muito tempo.

Em política não existe vácuo. Portanto, no bojo da crise do DEM e da disputa interna do PMDB, os grupos vão agir rápido. Ocupar o espaço o mais rápido possível é fundamental para quem tem projetos políticos para 2016 e 2018. Há outra dúvida que também pode gerar outro alinhamento de forças no PMDB: a idade avançada de Iris Rezende. Quem conhece de perto o ex-prefeito sabe que ele vende saúde, mas numa campanha política, que tende a ser duríssima, este ponto será explorado, pois, em 2016, Iris terá completado 83 anos. Como conselheiro político e como principal cabo-eleitoral do PMDB, sua liderança é inquestionável. Mas, como candidato, haverá críticas internas e também dos opositores. Júnior Friboi sabe disso e, por saber, vai agir.

fonte: DM