Nos bastidores, as reclamações de falta de diálogo do PMDB são recorrentes. Algumas lideranças se dizem cansadas e alegam que a tendência é migrar da legenda ou trabalhar em torno de um projeto pessoal.

“O PMDB se tornou um partido de eleições. Não há discussões fora desse período. Só vejo coisas negativas na imprensa”, reclama uma fonte em conversa reservada. Ela também alega que não há um líder no partido.

“Eu quero ser liderado pelo PMDB, mas não sei com quem converso. Com Iris? Com Maguito, Daniel? O partido não é orgânico, não tem propostas. Está todo mundo batendo cabeça. Não existe outro caminho a não ser a unidade interna na construção de um projeto. E eu não vejo essa unidade”, desabafa.

Ex-prefeito de Catalão e deputado estadual eleito, Adib Elias minimiza as reclamações. Segundo ele, desde que a campanha terminou a executiva do partido já realizou cinco reuniões com parlamentares eleitos e não eleitos.

“Já definimos que vamos formatar os diretórios, discutimos sobre a presidência da Assembleia, sobre a reestruturação do partido. Não existe essa pauta ruim, não. Eu não concordo. Isso é gente que fica querendo achar chifre em cabeça de cavalo”, reage.

PREFEITURA

Sobre a sucessão em 2016, Adib, que é próximo de Iris, diz que o ex-prefeito ainda não bateu o martelo, mas que tem o direito de participar do processo.

“Ele está recebendo informações (pesquisas), mas avalia que ainda não é o momento para essa discussão. É hora de baixar a poeira. Depois, lá na frente, vai avaliar suas condições, a saúde, falar com a família. É ele quem tem de ver o que é melhor para ele e para Goiânia”, completa.

Fonte: O Popular