O Ministério Público de Goiás (MP-GO) cumpre, na manhã desta terça-feira (11), mandados de prisão preventiva e temporária, condução coercitiva e busca e apreensão contra suspeitos de desviar dinheiro público de órgãos estaduais. O ex-deputado estadual Tiãozinho Costa (PTdoB) e o diretor de Obras Rodoviárias da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), José Marcos de Freitas Musse, estão entre os detidos.

A operação ocorre em Goiânia e mais cinco municípios. Procurado pelo G1, o presidente da Agetop, Jayme Rincón, não atendeu às ligações para comentar sobre o ocorrido. A assessoria da Agetop informou que ele está viajando e só se pronunciará nesta tarde. Advogado do PTdoB, Ronilson Reis disse ao G1 que Tiãozinho Costa está na sede do MP-GO prestando depoimento, mas não sabe de que o político é acusado.

A defesa informou ainda que o cliente é proprietário de uma empresa de paisagismo. Denominada Operação Compadrio, a ação conta com o apoio de 36 promotores de Justiça e cerca de 150 policiais militares. Ao todo, eles cumprem 67 mandados, sendo dois de prisão preventiva, sete de prisão temporária, 21 de condução coercitiva e 37 de busca e apreensão.

Os documentos foram expedidos pela juíza Placidina Pires, da 10ª Vara Criminal da Comarca de Goiânia. A operação acontece em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Morrinhos, Araçu, Uruana e São Miguel do Araguaia. De acordo com o MP-GO, a ação consiste no desenrolar de uma investigação iniciada em 2013 para apurar “uma organização criminosa instalada em órgãos públicos”.

Conforme os promotores, o grupo é suspeito de usar funcionários fantasmas e empresas laranjas para instrumentalizar desvios de dinheiro público. Eles também são investigados por favorecimento em licitações públicas, lavagem de dinheiro e retirada fraudulenta de restrições bancárias, cartorárias e no cadastro de proteção ao crédito. Todos os crimes contavam com a colaboração e participação de funcionários públicos.

Fonte: G1 Goiás